Tradutor

Bolsa de Lisboa

sábado, 3 de outubro de 2009

Intermarché da Covilhã é o supermercado mais barato da região


Uma família da Covilhã que privilegie as marcas e faça uma média de 250 euros de compras por mês gastará quase mais 590 euros por ano se as fizer no Continente ou no Pingo Doce do que se optar pelo Intermarché. Este supermercado assume-se, de resto, como o mais barato na região em produtos de marca e é o sexto com preços mais baixos a nível nacional, segundo um estudo da Deco para a revista “Proteste”, divulgado na semana passada.

No total, a “Proteste” visitou 551 lojas em 114 cidades do país e analisou 100 produtos de marca, para um cabaz familiar, mercearia e frescos, tendo passado pela Covilhã, Fundão, Gouveia, Seia e Guarda. Na Covilhã, a revista mensal da Deco conclui que não só o cabaz é mais barato no Intermarché, como também se consegue aqui poupar no que toca à mercearia e frescos. Seguem-se depois o Pingo Doce e o Continente, em “exequo” no campeonato dos produtos de marca com preços mais baixos, sendo que o último está em segundo lugar no que se refere à mercearia e frescos. A grande diferença nos preços encontra-se nos frescos dos supermercados Intermarché e Pingo Doce: neste paga-se mais 63,68 euros por cada 250 euros de compras realizadas do que no primeiro.
Curiosamente, no Intermarché localizado na cidade vizinha do Fundão gasta-se mais 41,66 euros no cabaz do que na loja da Covilhã. Na cidade fundanense, é no Pingo Doce que se consegue economizar mais em produtos de marca e o Modelo aparece com os preços mais elevados. No entanto, é também aqui que se encontram os melhores preços na área dos frescos.
No caso da Guarda, poupa quem opta por fazer compras no Pão de Açúcar, instalado no Centro Comercial Vivaci, que apresenta os melhores preços mais baixos nas três áreas estudadas pela Deco. Em segundo lugar está o Modelo e depois o Pingo Doce – que estão, porém, empatados quanto a artigos de mercearia. Quem preferir o Pão de Açúcar gasta menos 13,63 euros do que se escolher o Modelo e menos 15,91 do que um cliente do Pingo Doce. Outra das conclusões deste estudo da Deco (www.deco.proteste.pt) é que os artigos mais baratos do Pão de Açúcar se encontram na secção da mercearia. Na cidade guardense, a maior diferença de preços está também nos frescos. Quem for cliente Pão de Açúcar economiza 22,92 euros, para os mesmos 250 de compras.
Já em Seia, foram alvo de estudo o Intermarché e o Pingo Doce, sendo que o supermercado do grupo Os Mosqueteiros leva a melhor no cabaz, mercearia e frescos. A diferença mais acentuada está no cabaz: quem compra no Pingo Doce desembolsa mais 18,52 do que quem vai ao Intermarché. Embora esta loja ganhe também em mercearia e frescos, os preços dos dois supermercados são aproximados. Em relação a Gouveia, só foi estudado o Super Shop. Quem faça habitualmente compras na “cidade-jardim”, mas tenha oportunidade de passar por Seia, o melhor é parar no Intermarché da cidade vizinha e aproveitar para encher a despensa e poupar 11,57 euros em marcas, sendo que não vale a pena trocar o Super Shop pelo Pingo Doce (mais 6,64 euros por cada 250).
Feitas as contas ao conjunto de lojas da região, o Intermarché da Covilhã só consegue ser igualado pelo seu homónimo de Seia e apenas em matéria de mercearia. Já no topo da lista dos mais dispendiosos em matéria de cabaz, conta-se o Modelo do Fundão, que também é o mais caro em mercearia. Em frescos com valores mais elevados está o Intermarché da mesma cidade.
In Jornal o Interior

Sem comentários:

Enviar um comentário